Para Lev Manovich, falar em "Cibercultura" é negar a realidade

"Para os acadêmicos que ainda usam o termo 'cibercultura' para falar da atualidade, eu recomendo que acordem e olhem para o que existe em volta deles".

Um dos mais importantes teóricos das novas mídias, o professor russo Lev Manovich esteve no Brasil nas últimas semanas para participar de palestras no Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE) e na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Confira os melhores trechos da entrevista que ele deu ao Link:

A interatividade é um mito?

Você deve estar se referindo a declaração que eu fiz no meu livro The Language of New Media, publicado em 1999. Eu falei isso como uma reação às discussões sobre novas mídias, que na época giravam exclusivamente em torno da tal “interatividade” e se limitavam a isso. Todas as experiências culturais, no fundo, podem ser definidas como uma forma de interação. O que eu quis dizer é que toda comunicação intermediada por um computador é interativa, por isso precisávamos desenvolver termos diferentes para os diversos tipos de interatividade.

Por exemplo?

No meu livro Software Takes Command (licenciado em Creative Commons e disponível para download), eu proponho uma alternativa. Para simplificar: nós não temos que analisar os objetos concretos, e sim as interações. Devemos seguir os internautas enquanto eles navegam por um site e analisar os caminhos pelos quais andam, em vez de apenas analisar o conteúdo do site. Devemos seguir os jogadores enquanto eles estão ligados em um game. Com isso, poderemos usar a tecnologia para captar traços de personalidade e emoções das pessoas enquanto elas lêem um livro, assistem a um filme e interagem com as novas mídias.

Qual a peculiaridade da interatividade digital?

A interatividade digital, intermediada por um software, é um novo capítulo da história da cultura humana. Alguém que lê um texto não-interativo pode também construir sua própria versão dele, mentalmente. Mas isso pode ser feito de forma real nos meios digitais. Um videogame que você joga é totalmente diferente do videogame que eu jogo. A probabilidade de nos movermos pelos mesmos caminhos, passarmos pelos mesmos desafios exatamente na mesma sequência, é próxima do zero.

Você vê algum tipo de narrativa participativa que já integre totalmente seus usuários?

A dos games. Os primeiros videogames usavam o que eu chamo de “interatividade fechada”, na qual os usuários podem acessar alguns dados e outros não. A partir dos anos 90, vários artistas mudaram para uma forma diferente, a “interatividade aberta”, em que o software ou site responde diretamente às ações dos jogadores. Em jogos em 3D, por exemplo, o jogador é livre para se mover em qualquer direção no seu mundo 3D. Eles foram extremamente bem sucedidos e dominaram a indústria na década passada. Cada jogo é único.


Online e offline se tornaram a mesma coisa?


Sim. Nos anos 90, só se falava de “virtual”, “ciberespaço” e “cibercultura”. Éramos fascinados pelas possibilidades que os espaços digitais ofereciam. O “virtual”, que existe à parte do “real”, dominou a década. Agora, a web é uma realidade para milhões, e a dose diária de ‘ciberespaço’ é tão grande na vida de uma pessoa que o termo não faz mais muito sentido. O mundo alternativo tão falado na ficção cyberpunk, nos anos 80, foi perdido. O “virtual” agora é doméstico. Controlado por grandes marcas, tornou-se inofensivo. Nossas vidas online e offline são hoje a mesma coisa. Para os acadêmicos que ainda usam o termo ‘cibercultura’ para falar da atualidade, eu recomendo que acordem e olhem para o que existe em volta deles.

Entrevista publicada no jornal O Estado de S. Paulo em 21/08/2009, por Rafael Cabral.

Expressive Processing by Noah Wardrip-Fruin

Noah Wardrip-Fruin has just published his first monograph, Expressive Processing: Digital Fictions, Computer Games, and Software Studies. As the subtitle suggests, his book is a software studies take on the past and future of digital fictions and games. As of today it's available in bookstores as well as online -- and a PDF of the introduction can be downloaded from the MIT Press site.

Expressive Processing also marks the launch of the new Software Studies series from MIT Press, which Wardrip-Fruin is editing with Lev Manovich and Matthew Fuller. This book particularly develops a software studies for digital media, interpreting the computational processes of games and fictions (the ideas they embody, their histories, their potentials and limits) and connecting the specifics of these processes to the resulting audience experiences. Now that the series is launched, we encourage potential authors to contact the series editors and/or Doug Sery at MIT Press with proposals.

Lev Manovich @ Mackenzie University (Brazil)

Lecture about Software Studies and Cultural Analytics, August 12, 2009, São Paulo, Brazil.
Aula Magna com Lev Manovich no Programa de Pós-graduação em Educação, Arte e História da Cultura, Universidade Mackenzie, São Paulo, Brasil.

Aula Magna com Lev Manovich (Programa de Pós-graduação em Educação, Arte e História da Cultura) from walkingtools on Vimeo.

Lev Manovich and Cicero Silva @ Federal University of Rio de Janeiro

Software Studies director Lev Manovich (UCSD) and Software Studies Brazil coordinator, Cicero Silva (UFJF), delivered a lecture about Software Studies and Cultural Analytics at the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ) on Aug 07, 2009.

O diretor do grupo de Estudos do Software Lev Manovich e o coordenador do grupo no Brasil, Cicero Silva, estiveram na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) onde falaram sobre os Estudos do Software e sobre a Analítica Cultural. A palestra ocorreu no dia 07 de agosto de 2009 no PACC (Programa Avançado de Cultura Contemporânea) coordenado por Heloisa Buarque de Holanda.

Veja as imagens




Recently...